NotíciasAJUFESP

TRF3 determina que instituições de ensino devem indenizar alunos por oferta de cursos EAD sem autorização do MEC

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve decisão da 1ª Vara Federal de Coxim (MS) que condenou três instituições de ensino ao pagamento de indenização por danos materiais e morais a alunos que realizaram curso de Educação a Distância (EAD), na cidade sul mato grossense, em desacordo com as diretrizes do Ministério da Educação (MEC) e sem autorização do órgão público.


A ação, ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), buscou a reparação de direitos individuais, coletivos e difusos, bem como a anulação de todos os diplomas expedidos pela instituições. Também pediu que as empresas deixassem de fornecer cursos superiores em desacordo com as normativas do MEC.  


Decisão liminar da Justiça Federal de Mato Grosso do Sul atendeu a solicitação do MPF e determinou a suspensão dos cursos em andamento nesta situação. 


No julgamento do mérito, a 1ª Vara Federal de Coxim considerou o pedido parcialmente procedente. Ao confirmar a sentença, os magistrados da Quarta Turma destacaram que a educação superior é livre à iniciativa privada, desde que observadas as normas e mediante autorização e avaliação de qualidade pelo poder público.  


“Os cursos ofertados por entidades não credenciadas no Sistema Federal de Ensino são considerados apenas ‘cursos livres’, não autorizados a expedir certificados de pós-graduação, apenas de participação, sem valor de título de curso superior”. 


Segundo o colegiado, também ficou evidenciada irregularidade da carga horária, inferior à prevista na Resolução nº 2/2015 do Conselho Nacional de Educação.  “Há indicação de que os cursos eram fornecidos em um único ano, com aulas no máximo duas vezes ao mês”. 


Assim, a Quarta Turma manteve integralmente a sentença, condenando as instituições de ensino ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 12 mil para cada aluno e a devolução das taxas e das mensalidades a título de reparação material. Além disso, reconheceu a nulidade de todos os diplomas expedidos. 


Apelação Cível 5000200-25.2017.4.03.6007 

*Com informações da Assessoria de Comunicação Social do TRF3.


Foto: Canva Pro.